"(...)Não te equivoques, Nathanael, ante o título brutal que me agradou dar a este livro.

Nele me pus sem arrebiques nem pudor; e se nele falo por vezes de lugares que não vi, de perfumes que não cheirei, de ações que não cometi – ou de ti, Nathanael, que ainda não encontrei – não é por hipocrisia. E essas coisas não são mais mentirosas do que este nome que te dou, Nathanael, que me lerás, ignorando o teu, ainda por surgir.

Quando me tiveres lido, joga fora este livro – e sai. Sai do que quer que seja e de onde seja, de tua cidade, de tua família, de teu quarto, de teu pensamento. Que o meu livro te ensine a te interessares mais por ti do que por ele próprio – depois por tudo o mais – mais do que por ti."

André Gide em "Os Frutos da Terra". Paris, 1927.

sexta-feira, 2 de fevereiro de 2007

Meline (projeções futuras)


_ Meline Silva.

Risos na sala de aula...
_ É Milene, professor. Presente.

Pobre Milene, toda 4º feira tinha que corrigir o professor Manoel. Ela até achava “Meline” bonitinho, mas queria ser chamada pelo seu verdadeiro nome. Devia ser algum tipo de vingança; só porque ela preferia Matemática ao invés de Geografia, o professor pregava essa peça nela toda semana.

Milene sempre foi muito estudiosa, dizia que estudava muito. Mas pra mim, isso não era verdade, ela era inteligente e ponto. Os anos em que eu estudei com ela foram os mais difíceis. Ela era insuportável. Enquanto eu procurava a fórmula para resolver tal problema, ela já tinha a resposta do problema seguinte. Todos, inclusive eu, tinham algum motivo para odiá-la.

Mas mesmo assim, não conseguíamos. Ela cativava todos a sua volta, estava preste a nos ajudar em qualquer hora. Se alguém não entendesse a matéria, não era o professor que sanava as dúvidas e sim Meline... É...Quer dizer... Milene...

_ Milene, você vai prestar vestibular para que?
_ Engenharia... Ainda não sei qual, mas é Engenharia...
(Uffa, ainda bem que desistiu de Matemática)

Como não podia ser diferente, ela terminou o Ensino Médio e passou no Vestibular na 1º tentativa. E a essa altura, já estava decidido. Era Engenharia Metalúrgica, ela enchia a boca pra falar. Sua família estava radiante com sua conquista. E ela também, o orgulho de si mesma transbordava, contagiando a todos.

Para cursar sua Faculdade, ela teve que se mudar para Volta Redonda. Esse sacrifício era necessário. A abstinência de seu lar, de sua família, de seus amigos era corrosiva. A degradava a cada semestre.

Ela começava a perceber quanto tempo perdeu discutindo, brigando, se preocupando com coisas ínfimas; podendo ter aproveitado todo esse tempo ao lado das pessoas que ela realmente ama. Mas isso, ao invés de enfraquecê-la, só fortalecia. Embora sofresse com a distância, estudou para que conseguisse se formar o mais breve possível.

E conseguiu. Com 23 anos, formou-se sem perder, sequer, uma matéria. Seu magnífico desempenho na faculdade garantiu-a um emprego. Para sua felicidade, na cidade onde viveu a maior parte de sua vida. Meline se tornou Chefe de Pesquisa do Centro de Tecnologia da Refinaria de São Gonçalo e Itaboraí.

Essa engenheira chegou tão longe na vida, por que tinha suas convicções, acreditava em si mesma e que, por nenhum motivo, desistia dos seus sonhos.

Mas de fato, Milene é uma grande contradição. CDF legal? Isso existe? Sim. Claro que existe, tem até amigos.

Sou um deles!

João Freitas tem 17 anos e é vidente de vez em quando...





Nos Tímpanos: Mart'nália - Chega


2 comentários:

Anônimo disse...

Axo q c eu fosse ela eu xoraria de felicidade
=)

miLene disse...

cara, nem sabia o que falar depois de ler isso.
chorei msm e vc sabe ;P
eu só posso agradecer a você por todos esses anos de amizade, agradecer suas surpresinhas como essa, agradecer por ser meu amigo de verdade em todas as horas.
nova vida. nova fase. mas é claro, sem esquecer das coisas boas de antes; sem esquecer de vc...
beijos da tua fã com louvor, da pessoa que estará sempre torcendo por vc, da sua amiga...
te amo joão!