"(...)Não te equivoques, Nathanael, ante o título brutal que me agradou dar a este livro.

Nele me pus sem arrebiques nem pudor; e se nele falo por vezes de lugares que não vi, de perfumes que não cheirei, de ações que não cometi – ou de ti, Nathanael, que ainda não encontrei – não é por hipocrisia. E essas coisas não são mais mentirosas do que este nome que te dou, Nathanael, que me lerás, ignorando o teu, ainda por surgir.

Quando me tiveres lido, joga fora este livro – e sai. Sai do que quer que seja e de onde seja, de tua cidade, de tua família, de teu quarto, de teu pensamento. Que o meu livro te ensine a te interessares mais por ti do que por ele próprio – depois por tudo o mais – mais do que por ti."

André Gide em "Os Frutos da Terra". Paris, 1927.

domingo, 22 de abril de 2007

Saudosismo


“Felicidade se acha em horinhas de descuido”
-João Guimarães Rosa

A constante insatisfação do homem é tão certa como a convicção de sua morte. Estamos sempre querendo mais da vida, mais de nós, mais dos outros; e o que falta embaça a nossa vista para o que já temos. Mas quando perdemos algo, nós somos tomados por uma estranha melancolia, semelhante a um arrependimento.

Eu sei muito bem como funciona e poderia dizer como é isso, mas vem logo a sóbria e eloqüente razão, que manda eu me calar e sorve toda essa falsa consternação. Isso deve ser instinto, coisa de sobrevivência.

Quando sua vida muda muito em muito pouco tempo, você acaba aprendendo a se acostumar com tudo. Embora eu diga, que no momento, estou contente, a saudade vem e me faz sentir falta de outros tempos.

As velhas amizades, as risadas incontroláveis, a libido óbvia, a cumplicidade, a tal fugaz vulgaridade deixam boas lembranças. E se eu vier a chorar por essa saudade, não vai ser por tristeza, já que agora não sinto nenhuma, é por não poder reviver tais momentos.

Eu sinto saudade dos tempos de colégio. Sinto saudade do futebol. Eu sinto saudade de um tempo em que a felicidade não batia a minha porta, mas entrava correndo pelo meu quintal. Eu sinto saudade dos amigos que o tempo não vai deixar se afastarem. Sinto saudade de quando eu podia viver impunemente. Eu sinto saudade do tempo que as vulvas se abriam como sorrisos...

“(...) repentinamente, nos damos conta de que os enigmas da Via Láctea são pequenos demais comparados com aqueles das pessoas que vemos todo dia. Só que nossos olhares ficaram baços, e não percebemos o maravilhoso ao nosso lado. Se fôssemos tomados pelo fascínio, então pararíamos para ver e veríamos coisas de que nunca havíamos suspeitados.”
- Rubem Alves

João Freitas tem 19 anos e não sabe se saudade é um sentimento bom ou ruim...




Nos Tímpanos: Os Paralamas do Sucesso – Seja Você

5 comentários:

Diego disse...

po fikei ateh emocionado. se liga hj vou fazer pure de manjericao hauahuah pelo menos vou tentar neh ahahu abracaoo

Caroline disse...

:''/

Milene disse...

me deu vontade de chorar depois de ler isso.
estamos progredindo, né?
beijo

Gabriel Mourão disse...

bom texto, acho que descreve bem o que todos sentimos, ou pelo menos a maioria de nós, acho que é difícil definir a saudade e mais ainda dizer se é boa ou ruim, de qualquer forma, é um ótimo texto.
Abraços

Gabriel Mourão disse...
Este comentário foi removido pelo autor.