"(...)Não te equivoques, Nathanael, ante o título brutal que me agradou dar a este livro.

Nele me pus sem arrebiques nem pudor; e se nele falo por vezes de lugares que não vi, de perfumes que não cheirei, de ações que não cometi – ou de ti, Nathanael, que ainda não encontrei – não é por hipocrisia. E essas coisas não são mais mentirosas do que este nome que te dou, Nathanael, que me lerás, ignorando o teu, ainda por surgir.

Quando me tiveres lido, joga fora este livro – e sai. Sai do que quer que seja e de onde seja, de tua cidade, de tua família, de teu quarto, de teu pensamento. Que o meu livro te ensine a te interessares mais por ti do que por ele próprio – depois por tudo o mais – mais do que por ti."

André Gide em "Os Frutos da Terra". Paris, 1927.

domingo, 25 de março de 2007

Et Cetera



“é nela que os dentes encontram
o que os mantém afiados
com ela é que a língua elabora
a doce palavra”
- Paulo Henriques Britto


Não sei se estava dormindo ou se estava desperto, mas, independente disso, a menina de rosa voltou para perpetuar meus sonhos. E dessa vez, ela voltou diferente; os seus olhos morenos traziam algo desconhecido, que de certa maneira, me atraia e me fazia recear.

Ela caminhava lépida; seus passos eram calmos, como se não se importasse com os carros buzinando. Era ela que dava sentido aos sinais de trânsito e as calçadas, se não por ela, não haveria motivo de existir as avenidas. A menina de rosa só queria passear. Eu queria apenas decifrar o código preguiçoso daqueles gestos sutis.

As palavras que eu dizia pareciam não fazer muito sentido, a menina de rosa não reagia a nenhuma delas. E era tudo genuíno, sincero, mas ainda pouco para aqueles ouvidos. Sentia-me piegas, sorria para disfarçar. Infelizmente, não adiantava, sobravam os legítimos sentimentos, ainda sem resposta.

O seu cheiro era inebriante. Da mesma forma, que me recordo do gosto do Doce de Abóbora, me recordo daquele perfume usurpado das flores. Sinto-me capaz de, a 60 milhas distantes, reconhecer tal essência.

Por onde ela passava, atraia as atenções. E com todos os olhos nela postos, a palavra privacidade se tornara inconcebível. Eu não me importava com tal indiscrição, mas os olhares alheios a incomodavam. Embora tentássemos fugir, era impossível; sempre haveríamos de encontrar um par de faróis a nos vigiar.

Mas chegou uma hora, que não deu mais para evitar o toque, e esses olhares deixaram de ser tão incômodos. E, a essa altura, é inevitável, sucumbir ao desejo.

E os olhares indiscretos terão visto a felicidade, mas mesmo assim, incrédulos, terão que reticenciar todos os seus pensamentos...


“E todos vão falar,
Dar nomes pra mim.
Votar minha fé,
Que eu sou o teu quintal.
Se alguém vier falar,
Não brigue por mim.
Só diga que sou
Um problema seu...”
-Sérgio Filho


João Freitas tem 36 anos e está muito bem, obrigado...




Nos Tímpanos : Jorge Ben Jor - Porque É Proibido Pisar na Grama?